Um dia que fica para a história da nossa equipa!

Epá, o quanto me riu, a lembrar-me da quantidade de câmaras de ar que se mudaram!!
Domingo de Btt, pois a malta (eu, pelo menos), andava com vontade de fugir à estrada e curtir uns trilhos dos bons!!
Lá arrancámos até Avecasta por estrada! Seguimos os trilhos já conhecidos, que me deram um grande gozo, fizemos mais um pouco de estrada e demos com os novos!! Aqueles que o Eugénio descobriu!! :) Fizemos poucos, mas os que fizemos eram dos bons (isso é que eu ia a curtir tanta pedra!!).
O Duarte ficou a conhecer os Chãos e agora só falta o Xossé e o Tiago (julgo que ainda não foram lá!!).
Bom, numa descida cheia de pedra, que dava para dar calor, lá furei, depois de riscar o meu braço num arbusto com picos!!
Como a minha experiência com furos não é grande e como também demoro bastante tempo a mudar uma câmara, o Duarte deu uma excelente ajuda! Lá mudámos a câmara, mas ao encher a nova, partimos o pipo!! Eh, eh!
Tirámos aquela, pusemos a do Manuel António!! Enchemo-la, passado um bocado, esvaziou repentinamente. Já estava meio trilhada.
Tirámos aquela, pusemos a do Eugénio. N furos também!!
Começámos a remendar câmaras, até que  deu para fazer uns kms (poucos). Chegando à Nacional esvaziou outra vez!!
Sem câmaras, quase sem remendos (são dos bons, tb!!!), restou-me chamar a assistência, neste caso o Tiago para que me viesse buscar!! Obrigado, Tiago!
Eu lá fiquei à espera, a malta fez estrada até FZZ novamente!
Bom, fica na memória, este dia!!
Agradeço a ajuda de todos, as câmaras, os remendos, as vezes que deram à bomba, etc, etc!!
Quanto aos trilhos, para mim, excelentes!! O Eugénio já merece que o empurre numa daquelas descidas valentes, pois tem trabalhado bem para que possamos desfrutar naquela zona!! :)
Penso que tínhamos todas as condições para fazer uma excelente manhã, mas com tanto percalço, só me resta pedir-vos desculpa por a não terem aproveitado tão bem.
Mas, olhando pela positiva, assim também não ficam a pé no futuro, pois viram que as câmaras não vedavam!!
Voltemos àquela zona, para podermos desfrutar do que falta! :)

Évora aqui tão perto.

Podíamos começar esta crónica com este título, pois hoje, Évora esteve perto. Orgulho à parte, hoje fizemos uma excelente volta. Fazer 180 kms com média de 30 km/h não é para todos, ainda por cima com coxos como eu!!
Mas no meio de tudo isto, a perfomance é o que menos conta. Conta sim, o espírito de camaradagem e amizade que nos une. Isso sim, é importante.
Combinámos arrancar às 6 da manhã, rumo a Évora. Eram 6h22 quando o fizemos. O Manuel António arrancou com a carrinha, o resto da malta (Eu, o Eugénio, o Tiago, o Duarte, o Pinheiro, o Farinha e o Xossé) fez-se à estrada a pedalar.
Manhã não muito fria, mas com temperaturas normais para a hora em que estávamos.
Aquecimento feito entre Ferreira e Atalaia, a partir daí, por mais que tivéssemos dito que era para ir devagar, foi sempre a dar calor. As terras e os campos da Golegã e da Chamusca devem ter algo fora do comum, pois a malta chega ali e é sempre a esmifrar as máquinas.
Lá continuámos, na estrada que liga Chamusca a Mora (corrigam-me se estou em erro), num percurso sem muitos sobes e desces, com alguma energia nas pernas e sempre na brincadeira uns com os outros. O ambiente era bom!
O Pinheiro passa a condutor, o Manuel António fresco que estava toma muitas vezes as rédeas do pelotão. E como ele rola em estrada, hein?!
Aparecem as subidas mais difíceis, e aí nota-se quem está mais preparado. Eu dava o litro, o Xossé ficou sem o litro, pois teve que descansar. O treino dele tem sido nulo (pelo menos nas bikes!!! :)))) e isso reflecte-se. Trocámos novamente de condutor, o Pinheiro avança novamente, e cheio de energia, lá vai ele à frente.
Com tudo isto já levávamos uns kms valentes e depressa chegámos a  Montargil, onde fizemos o reforço. Comemos e bebemos bem, pois ainda faltava um bocado.
Terminado o reforço, lá arrancámos. Quanto a mim falo, quebrei o ritmo, o meu joelho viu-se à rasca para aquecer e a partir daí já não era o mesmo. Começava a chegar ao meu limite de kms, já sabia que agora iria ser sempre a sofrer.
Os kms passavam num ápice, com a frente do pelotão a sofrer constantemente mudanças de líder. E aqui tenho que dar mérito ao Tiago, aguentar-se numa bike de btt não é fácil.
As subidas e rectas aumentavam, o desgaste físico e psicológico imperava, estava na altura de dar o lugar ao Xossé, pois ele vinha deserto para voltar a pedalar. E assim foi, trocámos de posição, faltavam 50 kms para chegarmos a Évora.
O Eugénio puxava pela malta que ficava para trás, o Duarte e o Farinha estão em grande forma também, o Manuel António só mesmo as subidas longas o abatem. As descidas para ele são para serem feitas a fundo!!
Tiravam-se fotos, apitava-se, dava-se força à malta, trocavam-se bidons, interessava era não parar e manter um andamento quanto baste.
Arraiolos, terra com Castelo, subida até ele de paralelos. Aqui, o grupo da frente traz vantagem de 10 minutos do de trás. Faltavam as canetas. Parou-se mais um pouco e fez-se a subida até ao Castelo. Évora estava a 21 kms. Nunca tinha estado tão perto hoje!
O Pinheiro parte a corrente, o resto dos ciclistas avançam, eu fico a ajudá-lo. Monta-se a corrente com o elo, mas com distracção, deixa-se a corrente fora da roldana do desviador.
O tempo que passámos a resolver a avaria, fez com que a malta chegasse quase a Évora. Mas que bolina eles devem ter levado.
Mais volta em frente, menos volta para trás, chegámos a Évora, já o grupo (sem mim nem o Pinheiro) tinha chegado.
Objectivo cumprido, com passagem pelo templo de Diana, tiragem de fotos com Japoneses e/ou Chineses também. Deu para tudo. Era tempo de descansar e ir tomar banho nos Bombeiros!! Excelentes instalações, banho tomado, era tempo de ir almoçar, pois a fome já apertava.
O Pinheiro fez-nos passar pelo mesmo sítio não sei quantas vezes (sim, ele continua a achar que conhecer Évora, e nós não discordamos!!!!) para que pudéssemos ir almoçar!!
Bom almoço, e grande convívio. Não me canso de o dizer, dias e amigos como estes não têm preço.
Lá voltámos também na bolina, com o Manuel António como condutor, parando na ponte da Chamusca para tomar qualquer coisa. Hoje o destino estava traçado, tornar Évora mais perto. E podemos dizer que Évora está mais perto.
Marquemos o próximo desafio, para que todos possamos ir! Já sei que será sempre na bolina, sempre a dar calor!!
Grande abraço para todos, somos equipa, somos os maiores!!

Ps: Relembrem-me o que esqueci, para completar a crónica!!

Um Domingo a dar calor!!

Domingo último, tempo de voltar à estrada novamente, desta vez com um percurso de aproximadamente 120 kms quase sempre plano, o que seria óptimo para treinar a volta a Évora!
7 da matina, no sítio do costume, com alguns ciclistas a dormirem pouco (foi o meu caso e o do Eugénio, pelo menos!!).
Eu cheguei ainda devia vir quente da noite! Eh, eh!
Bom, lá começámos a pedalar, sempre a descer até Tomar. Eu a ambientar-me à bike nova, pois não me tinha sentado nela ainda. E que suavidade a colocar mudanças e a rolar.
Primeiros kms deu logo para perceber que seria sempre a dar calor, por aí abaixo. Eu tentava ambientar-me à proximidade da roda da frente, para não descolar, pois quando isso acontecia, para recuperar era difícil.
Primeira subida, a da empresa João Salvador, aí, eu e o Pinheiro ficámos para trás. O ritmo era elevado!
Lá fomos em direcção à Golegã, passando pela Atalaia, para depois seguirmos até Chamusca e Vale Cavalos.
Aquelas estradas pelos campos fora, são agradáveis, para que possamos pedalar. E estava uma manhã com uma temperatura agradável.
Volta para baixo, seguiram: Rui Farinha, Eugénio, Manuel António, Tiago, Pinheiro e eu! Para cima, acompanhou-nos o Duarte, que pensou que a volta era para começar mais tarde!
O que vale a malta esperava por mim e pelo Pinheiro, senão é que era bonito!!
Bom, lá chegámos a vale de cavalos e voltámos para cima novamente, com paragem na ponte da chamusca. Aí o acumulado era de duzentos e poucos metros!!
O meu joelho já doía bastante, e parece que o do Eugénio também!! Com o joelho a doer nunca mais paro, pois para arrancar é que é o delas.
Era sempre a pedalar em altas, o Manuel António bem embalando, ninguém o segura. Deve ser da bike, que é Trek!! Eh, eh!
Passámos por mais de uma centena de ciclistas, o que também era agradável. Mas nenhum passou por nós, o que já não foi mal!
Zona entre Atalaia e Tomar serviu para mostrar quem vinha fresco e aí eu e o Pinheiro ficámos para trás. A malta esperou na rotunda que dá entrada para o IC3 e para Tomar! O Pinheiro é o último a chegar e chega chateado.
Parece que a malta quebra o ritmo com as paragens. E quando arranca, é sempre a abrir!! Respeitámos a opinião! O Pinheiro seguiu!
Apanhámo-lo já em Tomar, e a partir daí foi sempre ao ritmo dele.
Eu acelerei um pouco com o Tiago e com o Farinha a seguir ao hospital e viemos até Ferreira quase. O resto da malta veio mais tarde.
Subida da variante. Arranquei na frente durante 50 metros. Eh, eh! O psicológico estava lá, faltaram foram as pernas. Mas senti-me bem a fazê-la
Parece que o Farinha foi passado por um jovem na subida! Que tirem as dúvidas aqui, por favor!! :)
Lá chegámos todos a Ferreira, encontrando-nos com o Rui e o Francisco, que tinham ido fazer btt!!
Ainda fomos a tempo de oferecer umas rodinhas ao Eugénio (ele ainda as vai colocar, eu sei!!) e umas luvas da marca da sua bike de btt!! Esqueci-me foi de as calçar primeiro, para que ele ficasse com umas mãozinhas de jovem!!
Concluindo, uma volta 5 estrelas, sempre a prego (pelo menos para lá!!), que quero repetir! Zero empenos para mim, só a dor no joelho!
Já agora, está na hora de complementarem o texto, para que fiquemos a saber o que se passou em versões diferentes!